Giovanibruno - Seguros

Open and close menu

Qual o peso do seguro no orçamento doméstico mensal?

31.01.2014 |

Contratar um seguro é uma maneira de proteger sua família e essa necessidade surge diante das incertezas e riscos que corremos em nosso cotidiano. Essa proteção tem um custo, chamado prêmio. É o que se paga para não correr o risco de perder algo muito valioso ou para suportar melhor uma grande perda material ou pessoal.

Para avaliar se a contratação de seguros realmente vale à pena é preciso apenas considerar: quanto você gastaria se tivesse que arcar com despesas provenientes de algum acidente de carro? Se sua residência fosse incendiada completamente, você poderia custear todos os reparos ou comprar uma nova casa? Se você falecer, sua família estaria protegida financeiramente?

Cleber Andriotti Castro, consultor em gestão financeira e diretor da Andriotti & Castro Consultoria, lembra que imprevistos ocorrem frequentemente, mas suas consequências podem ser minimizadas. Ele destaca que havendo um correto planejamento do orçamento familiar, o investimento mensal em seguro torna-se pequeno face à tranquilidade proporcionada por sua cobertura. “A participação dos seguros no orçamento doméstico é baixa a ponto de se justificar sua aquisição”, afirma.

Segundo Castro, para muitos o seguro pode parecer uma despesa não emergencial e que compromete o orçamento familiar, mas, aos poucos, essa concepção vem mudando. “Em busca de uma vida mais tranquila, as pessoas vêm percebendo a importância e necessidade da contratação de seguros, que impedem o consumo repentino de um patrimônio em função de situações não previstas. Além disso, já se sabe que o valor investido em apólices é sempre baixo quando cotejado a possíveis prejuízos financeiros causados por diferentes intempéries. As dores de cabeça geradas por ter seus bens furtados, um carro parado na estrada ou por perder sua renda em função de um acidente, por exemplos, podem ser evitadas investindo um pequeno valor mensal, que, por meio de um bom planejamento, não chega a pesar nas contas da família”, declara.

 

Seguro que cabe no bolso

Um levantamento elaborado pela AD Corretora de Seguros revela que, ao contrário do que muitos imaginam, a contratação de seguros pode sim caber no bolso, bastando apenas um planejamento estratégico que considere os custos com a contratação de apólices como parte das contas mensais da família.

O estudo levou em consideração o seguinte perfil familiar: casal com dois filhos pequenos (4 e 7 anos), sendo o marido de 40 anos e a esposa, 35. Eles moram no interior do Estado de São Paulo, possuem dois veículos e contam juntos com uma renda salarial de R$ 10.860,00 por mês (equivalente a um pouco mais de 13 salários mínimos mensais no Estado de São Paulo).

De acordo com os cálculos feitos pela AD Corretora de Seguros, um casal exemplificado investe aproximadamente 3,5% de sua renda mensal para proteger o patrimônio de sua família com a contratação dos seguintes tipos de apólices: seguro de vida para ambos, seguro automóvel para dois veículos e seguro residencial.

“Observarmos que o seguro para o carro é o que mais pesa no orçamento doméstico exemplificado pelo estudo da AD, mas ainda assim, sua contratação não compromete o orçamento do casal, uma vez que representa apenas 2,12% da renda mensal da família”, garante o consultor financeiro Cleber Andriotti Castro, também apontando que os custos com a contratação de seguros para os carros podem ser contabilizados como parte das despesas que a família tem com transporte. “É possível prever mensalmente a reserva de recursos para essa finalidade e planejar antecipadamente o pagamento dos seguros ao longo de todo o ano, ou seja, guardar um pouco de dinheiro a cada mês para renovar a apólice, quando a mesma vencer, em um pagamento à vista sem a necessidade de dividir em parcelas e contrair juros. O seguro não deve comprometer o orçamento doméstico, pelo contrário, ele tem o objetivo de proteger o seu bolso”, explica.

Segundo Luciano Cardoso, que responde pela superintendência regional da AD, as pessoas precisam se conscientizar de que o risco é constante e que, por isso, o investimento em proteção é fundamental. “O seguro deve ser percebido como um investimento em tranquilidade. São comuns os casos de pessoas que, por não terem essa proteção, vendem casa, carro, liquidam suas reservas financeiras para pagar os gastos com um acidente, por exemplo”, declara.

 

Como contratar um seguro?

Comprar um seguro é uma decisão que requer muitos cuidados e o Corretor de Seguros, por sua formação e especialização, é o profissional indicado. Seu papel é analisar os riscos aos quais o segurado está exposto e buscar o produto mais adequado às suas necessidades, considerando o melhor custo x benefício. O corretor também age como consultor de riscos, auxiliando na identificação de necessidades do cliente, bem como na busca de soluções por meio de uma apólice que proporcione segurança e tranquilidade.

Por se tratar de um contrato, a existência de um profissional qualificado para intermediar essa negociação é obrigatória. O corretor é – por definição e até por lei – o representante do segurado junto à Seguradora e o mais capacitado para um atendimento personalizado e eficiente. É ele quem conhece melhor os produtos de seguros e, portanto, quem pode melhor aconselhar o cliente. Cabe a ele cuidar dessa relação, agindo não apenas como vendedor, mas principalmente como consultor na indicação da apólice, e defensor do segurado após a ocorrência do sinistro.

Luciano Cardoso, superintendente regional da AD, aponta que para contratar qualquer tipo de seguro é fundamental pesquisar preços e benefícios, no entanto, também é preciso estar consciente de que nem sempre o mais em conta é o que melhor que se adequa as suas necessidades.

 

Conheça os seguros pessoais mais procurados

Seguro Automóvel: visa cobrir os prejuízos causados a seu veículo, que podem ser ocasionados por colisão, incêndio e roubo. Quando contratada a cobertura para terceiros (RCF), ele também indeniza os danos materiais e corporais em possíveis sinistros originados pelo segurado.

Seguro Residencial: visa proteger o seu patrimônio e garantir o recebimento de indenização em situações inesperadas como roubo, incêndio, danos elétricos, vendaval e até responsabilidade civil por danos involuntários causados a terceiros. Com ele, sua residência habitual ou de veraneio estará sempre protegida. Além disso, você pode contar com serviços de Assistência 24 horas em casos de emergências, como chaveiro, eletricista e limpeza de caixa d’água.

Vida Individual: tem por finalidade o pagamento aos beneficiários de uma determinada quantia (capital segurado) previamente fixada na apólice nos eventos contratados. Tipos de cobertura: morte, morte acidental, invalidez permanente total por doença e invalidez total ou parcial por acidente.

 

Fonte: Portal dos Corretores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Giovanibruno Seguros

Desde 1993, zelamos pelo patrimônio dos clientes com seguros empresariais e residenciais, além da consultoria em gerenciamento de riscos.

Faça já um orçamento

Quer receber nossos conteúdos e informações exclusivas no seu e-mail? Assine nossa newsletter.

Categorias

Gerenciamento de Riscos

O primeiro passo para uma proteção eficaz.

Saiba mais

Seguros Empresariais

Diversas maneiras de proteger seu patrimônio.

Saiba mais

Seguros Pessoais

Garantir o futuro é dormir tranquilo todos os dias.

Saiba mais

Oportunidade

Você, Corretor ou Produtor de Seguros, venha trabalhar conosco!

Fale Conosco

Oportunidade

Você, Corretor ou Produtor de Seguros, venha trabalhar conosco!

Fale conosco