Giovanibruno - Seguros

Open and close menu

Usa moto para trabalhar e quer fazer um seguro?

15.01.2014 |

As estatísticas já anunciam o problema; 40% contra 5%. Esta é a porcentagem de carros e motos assegurados, respectivamente. Mas, se o mercado de seguro de motos já é tão enxuto, quando focamos no segmento de quem utiliza o veículo para fins comerciais, os números são ainda menores.

Algumas das seguradoras com maior atuação no país, como Mapfre, BB, Sul América e Porto Seguro, não trabalham com este perfil de cliente. O portal Prestum Seguros investigou por que o seguro de motos é tão discriminado e apresenta algumas respostas, assim como alternativas para não deixar o motociclista totalmente desprotegido.

O presidente da Federação dos Motoclubes do Estado de São Paulo, Paulo Cesar Lodi (mais conhecido como Picka Pau), aponta a primeira dificuldade.

O índice de assaltos e furtos ocasiona o altíssimo preço do seguro para motocicletas

“O índice de assaltos e furtos ocasiona o altíssimo preço do seguro para motocicletas, o que inibe totalmente o interesse das seguradoras em fazê-lo. Aos motofretistas, que não é nossa especialidade, cabe apenas contar com alguns poucos e caros seguros oferecidos no mercado, além de bons rastreadores e empresas que sejam realmente idôneas na prestação de tal serviço”, afirma.

Segundo apuração do portal, a única seguradora que aceita indiscriminadamente qualquer moto é a Suhai Seguros. Segundo o diretor comercial, Robson Armando Tricarico, o fato de aceitar motos com alto índice de sinistralidade tem a ver com o DNA da seguradora de recuperadora de veículos.

“Uma seguradora normal trabalha com estatísticas baseadas na análise no perfil, entretanto, para a Suhai não importa se o motorista tem 18 ou 80 anos, mora no centro ou na periferia, é casado ou solteiro, uma vez que o que é analisado é o veículo. Nos atrevemos a assegurar um automóvel rejeitado por outras seguradoras porque recuperamos em torno de 90% dos veículos assegurados”, explica.

A Suhai promete seguro sem franquia, sem análise de perfil, sem restrição de modelo, marca ou ano, e indenização de 100% do valor de acordo com a tabela FIPE, caso a moto seja furtada ou roubada e não seja recuperada.

 

Este grande desconhecido

É importante ressaltar que embora haja um grande esforço por parte de órgãos oficiais como a Susep (Superintendência de Seguros Privados) quanto à conscientização sobre o mercado de seguros em geral, o seguro de moto para fins comerciais é desconhecido até mesmo por pessoas que atuam neste meio. Daniela Tofoli é tecnica em seguros do Sindicato dos Motoboys de São Paulo e desconhece o seguro oferecido pela Suhai.

“Já foram feitas algumas negociações com seguradoras como a Porto Seguro, mas, infelizmente, pelo alto índice de roubo não é vantajoso porque ela não vai conseguir arcar com o volume de sinistralidade”, entrega.

Segundo especialistas, a cada 10 motos roubadas apenas 7 são recuperadas, o que comprova a reticência das seguradoras. A única esperança para o setor é que haja mais segurança, o que poderia coibir a atuação de criminosos.

“O seguro é baseado no índice de roubo, portanto, se o número de roubos diminuísse, com certeza, seria mais vantajoso para as seguradoras participar desta fatia do mercado”, enfatiza Tofoli.

 

Rastreadores como alternativa

O motociclista André De Lucca, que utiliza uma Dafra Citycom 300i para lazer e fins comerciais, conta que foi atrás de um seguro e após ser negado por duas seguradoras e receber uma cotação cara, acabou optando por outro meio. De acordo com o seu perfil, o seguro para a sua moto ficaria entre R$ 1.300,00 e R$ 2.000,00.

“Encontrei soluções mais em conta, como rastreador e bloqueador e, afinal, vou optar por uma dessas empresas, apesar de ter um pouco de medo de não ser atendido no momento que precisar”, confessa.

O sócio diretor da área comercial da Locator, Valdemar Penna, explica que os equipamentos de rastreamento, bloqueio e alarme, não substituem o seguro, entretanto é uma opção mais econômica e eficiente.

“Existem planos de instalação de bloqueador por 12 parcelas de R$ 55 ou o motociclista pode ampliar a proteção e instalar por 12 x de R$ 115 o equipamento completo, que inclui alarme, bloqueador e rastreador”, finaliza.

Aos motociclistas resta estar muito atento e esperar que a paz reine em seu entorno. Ou que o mercado se ajuste às suas necessidades

 

Fonte: CQCS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Giovanibruno Seguros

Desde 1993, zelamos pelo patrimônio dos clientes com seguros empresariais e residenciais, além da consultoria em gerenciamento de riscos.

Faça já um orçamento

Quer receber nossos conteúdos e informações exclusivas no seu e-mail? Assine nossa newsletter.

Categorias

Gerenciamento de Riscos

O primeiro passo para uma proteção eficaz.

Saiba mais

Seguros Empresariais

Diversas maneiras de proteger seu patrimônio.

Saiba mais

Seguros Pessoais

Garantir o futuro é dormir tranquilo todos os dias.

Saiba mais

Oportunidade

Você, Corretor ou Produtor de Seguros, venha trabalhar conosco!

Fale Conosco

Oportunidade

Você, Corretor ou Produtor de Seguros, venha trabalhar conosco!

Fale conosco